Loading
 
 
 
Loading
 
No confessionário, nada de ameaças, mas o perdão do Pai, recomenda o Papa
Loading
 
27 de Fevereiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 27-02-2018, Gaudium Press) A temática da homilia do Papa Francisco na Missa celebrada na manhã desta terça-feira na Capela da Casa Santa Marta salienta que "Jesus chama com doçura e confiança de pai".

27No confessionário, nada de ameaças, mas o perdão do Pai, recomenda o Papa.jpg

Chamado à Conversão - Atitude "Especial" de Jesus

O Pontífice relembrou que a Quaresma é um tempo que ajuda à conversão, uma reaproximação com Deus e uma mudança de vida. E que esta é uma graça a ser pedida ao Senhor.

O Senhor não se cansa de chamar cada um a mudar de vida, a dar um passo em direção a Ele, a converter-nos, e faz isto com a doçura e a confiança de um pai.

A inspiração para o pensamento e palavras do Papa nasceram da leitura do primeiro livro do Profeta Isaías que o Santo Padre chamou de um verdadeiro "chamado à conversão".

Na homilia de hoje o Papa mostra qual é a atitude "especial" de Jesus diante de nossos pecados: Jesus "não ameaça, mas chama com doçura, dando confiança":

"Venha, conversemos" são as palavras do Senhor aos chefes de Sodoma e ao povo de Gomorra, a quem o Senhor já havia indicado qual "o mal" a ser evitado e qual o "bem" a ser seguido, explicou Francisco.

E o Santo Padre afirma que o Senhor faz o mesmo conosco:

"O Senhor diz: "Venha, Venha e debatamos. Falemos um pouco". Não nos assusta. É como o pai do filho adolescente que fez uma bobagem e deve repreendê-lo. E sabe que se vai com o bastão a coisa não acabará bem, deve então agir com confiança. O Senhor, nesta passagem, nos chama assim: "Venha. Debatamos, discutamos. Não tenha medo, não quero agredi-lo". E como sabe que o filho pensa: "Mas eu fiz coisas..." - Imediatamente: "Ainda que os seus pecados fossem como escarlate, tornar-se-ão brancos como a neve. Se fossem vermelhos como púrpura, tornar-se-ão como lã".

Confissão sem ameaças 

Como o pai em relação ao filho adolescente, Jesus então, com "um gesto de confiança, aproxima ao perdão e muda o coração".
Assim fez - recorda Francisco - chamando Zaqueu ou Mateus, e assim faz em nossa vida, nos faz ver "como dar um passo em frente no caminho da conversão":

"Agradeçamos ao Senhor pela sua bondade. Ele não quer nos agredir e nos condenar. Deu a sua vida por nós e esta é a sua bondade. E sempre busca o modo de chegar ao coração. E quando nós sacerdotes, no lugar do Senhor, devemos ouvir as confissões, também nós devemos ter esta atitude de bondade, como diz o Senhor: "Venham, debatamos, não há problema, o perdão existe", e não a ameaça, desde o início".

Ir ao Senhor de coração aberto: é o Pai que espera 

Experiências de um Cardeal: O Papa conta a este propósito a experiência de um cardeal confessor, que justamente diante do pecado que intui ser "grande", não se detém muito e segue em frente, continua o diálogo: "E isto abre o coração e a outra pessoa se sente em paz", sublinha o Papa.

Assim faz o Senhor conosco. Diz: "venham, debatamos, falemos. Pegue o recibo do perdão, perdão existe":

"Ajuda-me ver esta atitude do Senhor: o pai com o filho que se acha grande, que se acha crescido e ainda está no meio do caminho. E o Senhor sabe que todos nós estamos na metade do caminho e tantas vezes temos necessidade disto, de ouvir esta palavra: "Mas venha, não se assustes, vem. O perdão existe". E isto nos encoraja. Ir ao Senhor com o coração aberto: é o pai que nos espera", conclui assim sua homilia de hoje o Papa Francisco. (JSG)

 

 

Loading
No confessionário, nada de ameaças, mas o perdão do Pai, recomenda o Papa

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 27-02-2018, Gaudium Press) A temática da homilia do Papa Francisco na Missa celebrada na manhã desta terça-feira na Capela da Casa Santa Marta salienta que "Jesus chama com doçura e confiança de pai".

27No confessionário, nada de ameaças, mas o perdão do Pai, recomenda o Papa.jpg

Chamado à Conversão - Atitude "Especial" de Jesus

O Pontífice relembrou que a Quaresma é um tempo que ajuda à conversão, uma reaproximação com Deus e uma mudança de vida. E que esta é uma graça a ser pedida ao Senhor.

O Senhor não se cansa de chamar cada um a mudar de vida, a dar um passo em direção a Ele, a converter-nos, e faz isto com a doçura e a confiança de um pai.

A inspiração para o pensamento e palavras do Papa nasceram da leitura do primeiro livro do Profeta Isaías que o Santo Padre chamou de um verdadeiro "chamado à conversão".

Na homilia de hoje o Papa mostra qual é a atitude "especial" de Jesus diante de nossos pecados: Jesus "não ameaça, mas chama com doçura, dando confiança":

"Venha, conversemos" são as palavras do Senhor aos chefes de Sodoma e ao povo de Gomorra, a quem o Senhor já havia indicado qual "o mal" a ser evitado e qual o "bem" a ser seguido, explicou Francisco.

E o Santo Padre afirma que o Senhor faz o mesmo conosco:

"O Senhor diz: "Venha, Venha e debatamos. Falemos um pouco". Não nos assusta. É como o pai do filho adolescente que fez uma bobagem e deve repreendê-lo. E sabe que se vai com o bastão a coisa não acabará bem, deve então agir com confiança. O Senhor, nesta passagem, nos chama assim: "Venha. Debatamos, discutamos. Não tenha medo, não quero agredi-lo". E como sabe que o filho pensa: "Mas eu fiz coisas..." - Imediatamente: "Ainda que os seus pecados fossem como escarlate, tornar-se-ão brancos como a neve. Se fossem vermelhos como púrpura, tornar-se-ão como lã".

Confissão sem ameaças 

Como o pai em relação ao filho adolescente, Jesus então, com "um gesto de confiança, aproxima ao perdão e muda o coração".
Assim fez - recorda Francisco - chamando Zaqueu ou Mateus, e assim faz em nossa vida, nos faz ver "como dar um passo em frente no caminho da conversão":

"Agradeçamos ao Senhor pela sua bondade. Ele não quer nos agredir e nos condenar. Deu a sua vida por nós e esta é a sua bondade. E sempre busca o modo de chegar ao coração. E quando nós sacerdotes, no lugar do Senhor, devemos ouvir as confissões, também nós devemos ter esta atitude de bondade, como diz o Senhor: "Venham, debatamos, não há problema, o perdão existe", e não a ameaça, desde o início".

Ir ao Senhor de coração aberto: é o Pai que espera 

Experiências de um Cardeal: O Papa conta a este propósito a experiência de um cardeal confessor, que justamente diante do pecado que intui ser "grande", não se detém muito e segue em frente, continua o diálogo: "E isto abre o coração e a outra pessoa se sente em paz", sublinha o Papa.

Assim faz o Senhor conosco. Diz: "venham, debatamos, falemos. Pegue o recibo do perdão, perdão existe":

"Ajuda-me ver esta atitude do Senhor: o pai com o filho que se acha grande, que se acha crescido e ainda está no meio do caminho. E o Senhor sabe que todos nós estamos na metade do caminho e tantas vezes temos necessidade disto, de ouvir esta palavra: "Mas venha, não se assustes, vem. O perdão existe". E isto nos encoraja. Ir ao Senhor com o coração aberto: é o pai que nos espera", conclui assim sua homilia de hoje o Papa Francisco. (JSG)

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93424-No-confessionario--nada-de-ameacas--mas-o-perdao-do-Pai--recomenda-o-Papa. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Coro da Catedral realizou seu tradicional Concerto Coral Anual de Natal, e se destacou pelo carát ...
 
Papa Francisco recebeu em audiência funcionários TV italiana Telepace, nos seus 40 anos de fundaç ...
 
Os sacerdotes católicos não podem revelar os pecados dos penitentes sob pena de excomunhão, e nem ...
 
O Papa dedicou a homilia de hoje a São José e pediu aos fiéis que não percam a capacidade de s ...
 
Belém é um dos lugares da Terra Santa mais visitados por ocasião do Natal. E não é para menos, ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading