Loading
 
 
 
Loading
 
Cardeal Piacenza aconselha confessores a não se distraírem durante o Sacramento
Loading
 
6 de Março de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 06-03-2018, Gaudium Press) O Cardeal Mauro Piacenza, Penitenciário Maior da Santa Sé, ministrou a aula inaugural do Curso sobre Jurisdição Interna que ocorre no Palácio da Chancelaria em Roma até 09 de março. O purpurado fez uma forte crítica às distrações dos sacerdotes durante o Sacramento da Confissão e deu conselhos práticos para uma melhor preparação espiritual e uma maior atenção pastoral aos fiéis durante este rito.

"Temos notícias de alguns confessores que 'conversam nas redes sociais', enquanto os penitentes fazem sua acusação", denunciou o Penitenciário Maior, segundo o Vatican Insider. "Este é um ato gravíssimo, que não hesito em definir: 'ateísmo prático', e que demonstra a fragilidade da Fé do confessor no evento sobrenatural de graça que se está vivendo!".

Cardeal Piacenza aconselha confessores a não se distraírem durante o Sacramento.jpg

O purpurado explicou que a Confissão requer sobretudo escuta e é momento de encontro com Cristo, um espaço de liberdade e uma oportunidade de reconhecer a própria vocação. Por este motivo é importante que os fiéis, especialmente os jovens, possam satisfazer em seu encontro com o Sacramento sua necessidade de "beleza, justiça, liberdade, verdade e amor".

Do mesmo modo, ele pediu reconhecer a oposição cultural ao Sacramento da Penitência e o esforço que os fiéis devem fazer para ir ao sacramento. É possível que os penitentes acudam com "expressões inadequadas, às vezes inclusive distorcidas ou pretensiosas", mas os sacerdotes devem esforçar-se em reconhecer com sabedoria "o eco remoto do anseio de felicidade e do cumprimento, presente no coração de cada homem".

"A acusação dos pecados é, objetivamente, um momento de crise, de discutir o próprio juízo, as próprias expressões, as próprias obras (pensamentos, palavras, obras e omissões)", expôs o Penitenciário Maior. "Por esta razão, é indispensável pedir ao Espírito Santo a graça de que essa 'crise' se transforme realmente em um momento de crescimento, mediante o encontro com Cristo".

O Cardeal Piacenza destacou a confissão como um momento especial no qual a pessoa escuta a vontade de Deus e toma uma decisão livre de segui-la. Ele também destacou a oportunidade de diálogo entre o sacerdote e recomendou preceder o Sacramento de alguns momentos de recolhimento e oração nos quais os sacerdotes podem pedir "tornar-se verdadeiramente capazes de ouvir, com a consciência da dramática importância, às vezes determinante, da nossa mediação humana".

O penitente "tem o direito de ouvir, dos lábios do confessor, não as opiniões pessoais de um homem, preparado cultural e teologicamente, mas somente e unicamente a Palavra de Deus (...), interpretada pelo Magistério autêntico", afirmou o Penitenciário Maior, que qualificou o Sacramento como "talvez o único e verdadeiro espaço da autêntica liberdade". "Não existe outro lugar na terra como a Reconciliação sacramental, na qual seja possível ter uma experiência análoga: não só ser amado incondicionalmente, apesar do próprio pecado, mas também ver destruído o pecado e ser amados plenamente, infinitamente". (EPC)

Loading
Cardeal Piacenza aconselha confessores a não se distraírem durante o Sacramento

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 06-03-2018, Gaudium Press) O Cardeal Mauro Piacenza, Penitenciário Maior da Santa Sé, ministrou a aula inaugural do Curso sobre Jurisdição Interna que ocorre no Palácio da Chancelaria em Roma até 09 de março. O purpurado fez uma forte crítica às distrações dos sacerdotes durante o Sacramento da Confissão e deu conselhos práticos para uma melhor preparação espiritual e uma maior atenção pastoral aos fiéis durante este rito.

"Temos notícias de alguns confessores que 'conversam nas redes sociais', enquanto os penitentes fazem sua acusação", denunciou o Penitenciário Maior, segundo o Vatican Insider. "Este é um ato gravíssimo, que não hesito em definir: 'ateísmo prático', e que demonstra a fragilidade da Fé do confessor no evento sobrenatural de graça que se está vivendo!".

Cardeal Piacenza aconselha confessores a não se distraírem durante o Sacramento.jpg

O purpurado explicou que a Confissão requer sobretudo escuta e é momento de encontro com Cristo, um espaço de liberdade e uma oportunidade de reconhecer a própria vocação. Por este motivo é importante que os fiéis, especialmente os jovens, possam satisfazer em seu encontro com o Sacramento sua necessidade de "beleza, justiça, liberdade, verdade e amor".

Do mesmo modo, ele pediu reconhecer a oposição cultural ao Sacramento da Penitência e o esforço que os fiéis devem fazer para ir ao sacramento. É possível que os penitentes acudam com "expressões inadequadas, às vezes inclusive distorcidas ou pretensiosas", mas os sacerdotes devem esforçar-se em reconhecer com sabedoria "o eco remoto do anseio de felicidade e do cumprimento, presente no coração de cada homem".

"A acusação dos pecados é, objetivamente, um momento de crise, de discutir o próprio juízo, as próprias expressões, as próprias obras (pensamentos, palavras, obras e omissões)", expôs o Penitenciário Maior. "Por esta razão, é indispensável pedir ao Espírito Santo a graça de que essa 'crise' se transforme realmente em um momento de crescimento, mediante o encontro com Cristo".

O Cardeal Piacenza destacou a confissão como um momento especial no qual a pessoa escuta a vontade de Deus e toma uma decisão livre de segui-la. Ele também destacou a oportunidade de diálogo entre o sacerdote e recomendou preceder o Sacramento de alguns momentos de recolhimento e oração nos quais os sacerdotes podem pedir "tornar-se verdadeiramente capazes de ouvir, com a consciência da dramática importância, às vezes determinante, da nossa mediação humana".

O penitente "tem o direito de ouvir, dos lábios do confessor, não as opiniões pessoais de um homem, preparado cultural e teologicamente, mas somente e unicamente a Palavra de Deus (...), interpretada pelo Magistério autêntico", afirmou o Penitenciário Maior, que qualificou o Sacramento como "talvez o único e verdadeiro espaço da autêntica liberdade". "Não existe outro lugar na terra como a Reconciliação sacramental, na qual seja possível ter uma experiência análoga: não só ser amado incondicionalmente, apesar do próprio pecado, mas também ver destruído o pecado e ser amados plenamente, infinitamente". (EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93568-Cardeal-Piacenza-aconselha-confessores-a-nao-se-distrairem-durante-o-Sacramento. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Coro da Catedral realizou seu tradicional Concerto Coral Anual de Natal, e se destacou pelo carát ...
 
Papa Francisco recebeu em audiência funcionários TV italiana Telepace, nos seus 40 anos de fundaç ...
 
Os sacerdotes católicos não podem revelar os pecados dos penitentes sob pena de excomunhão, e nem ...
 
O Papa dedicou a homilia de hoje a São José e pediu aos fiéis que não percam a capacidade de s ...
 
Belém é um dos lugares da Terra Santa mais visitados por ocasião do Natal. E não é para menos, ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading