Loading
 
 
 
Loading
 
Símbolos cristãos são demolidos de templos na China
Loading
 
8 de Março de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

China - Yining (Quinta-feira, 08-03-2018, Gaudium Press) As imagens de antes e depois do Templo de Yining, em Xinjiang, na China, desencadearam uma forte comoção nas redes sociais locais. Segundo informou a agência de notícias AsiaNews, os comentários mais frequentes sobre a notícia falam do retorno de uma reeditada "Revolução Cultural". Sob este nome, na segunda metade do século XX, ocorreu a mais violenta perseguição da Igreja no país.

Símbolos cristãos são demolidos de templos na China.jpg

A demolição das imagens religiosas das cúpulas e da cruz que coroavam o templo recorda a onda de demolições já registrada na China recentemente e foi destacada em momentos em que novas normas foram aplicadas em questões religiosas que impõem maiores restrições à liberdade religiosa dos fiéis do país. A aparência final do templo trouxe à memória os fatos da Revolução Cultural, quando as autoridades destruíram templos, livros de oração, imagens, obras de arte sacra e qualquer tipo de manifestação religiosa na tentativa de instaurar o ateísmo.

As novas proibições ao culto privado também recordam fatos anteriores da Revolução Cultural. As ameaças atuais da polícia, que reagem com prisões às pessoas que estejam rezando juntas em uma casa e a possibilidade de serem obrigadas a sofrer um processo de reeducação se convertem em um inegável paralelo com o envio de milhares de fiéis a campos de reeducação e trabalhos forçados na segunda metade do século XX.

De fato, as novas normas sobre atividades religiosas impõem novas limitações para o culto divino o qual deve ser desenvolvido nos templos e nos horários estabelecidos pelas autoridades. Os locais onde as atividades religiosas são desenvolvidas de maneira ilegal podem ser expropriados e os fiéis podem ser sujeitos a prisão e multas. Os templos que sofreram a demolição dos símbolos religiosos não pertencem à chamada "igreja subterrânea", mas foram oficialmente registrados e operam com todas as permissões estatais.

O argumento central dos ataques à liberdade religiosa é agora o da "chinização", quer dizer, o processo de "fazer chinesa" a Igreja. Para as autoridades, isto significa a aceitação dos princípios de independência em relação à Santa Sé, a auto-seleção e auto-nomeação dos Bispos, a possibilidade de concelebração com bispos ilegítimos e a aceitação das novas normas sobre atividades religiosas.(EPC)

Loading
Símbolos cristãos são demolidos de templos na China

China - Yining (Quinta-feira, 08-03-2018, Gaudium Press) As imagens de antes e depois do Templo de Yining, em Xinjiang, na China, desencadearam uma forte comoção nas redes sociais locais. Segundo informou a agência de notícias AsiaNews, os comentários mais frequentes sobre a notícia falam do retorno de uma reeditada "Revolução Cultural". Sob este nome, na segunda metade do século XX, ocorreu a mais violenta perseguição da Igreja no país.

Símbolos cristãos são demolidos de templos na China.jpg

A demolição das imagens religiosas das cúpulas e da cruz que coroavam o templo recorda a onda de demolições já registrada na China recentemente e foi destacada em momentos em que novas normas foram aplicadas em questões religiosas que impõem maiores restrições à liberdade religiosa dos fiéis do país. A aparência final do templo trouxe à memória os fatos da Revolução Cultural, quando as autoridades destruíram templos, livros de oração, imagens, obras de arte sacra e qualquer tipo de manifestação religiosa na tentativa de instaurar o ateísmo.

As novas proibições ao culto privado também recordam fatos anteriores da Revolução Cultural. As ameaças atuais da polícia, que reagem com prisões às pessoas que estejam rezando juntas em uma casa e a possibilidade de serem obrigadas a sofrer um processo de reeducação se convertem em um inegável paralelo com o envio de milhares de fiéis a campos de reeducação e trabalhos forçados na segunda metade do século XX.

De fato, as novas normas sobre atividades religiosas impõem novas limitações para o culto divino o qual deve ser desenvolvido nos templos e nos horários estabelecidos pelas autoridades. Os locais onde as atividades religiosas são desenvolvidas de maneira ilegal podem ser expropriados e os fiéis podem ser sujeitos a prisão e multas. Os templos que sofreram a demolição dos símbolos religiosos não pertencem à chamada "igreja subterrânea", mas foram oficialmente registrados e operam com todas as permissões estatais.

O argumento central dos ataques à liberdade religiosa é agora o da "chinização", quer dizer, o processo de "fazer chinesa" a Igreja. Para as autoridades, isto significa a aceitação dos princípios de independência em relação à Santa Sé, a auto-seleção e auto-nomeação dos Bispos, a possibilidade de concelebração com bispos ilegítimos e a aceitação das novas normas sobre atividades religiosas.(EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93617-Simbolos-cristaos-sao-demolidos-de-templos-na-China. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

No próximo domingo, 24 de junho, a Catedral de Turim celebrará a festa do seu Padroeiro, São Joã ...
 
A proximidade dos Salesianos aos iemenitas fez com que a ordem religiosa promova neste sábado, 23, ...
 
Encontrar apoio na própria família é uma grande ajuda para os que dão este passo, e é uma grand ...
 
Conferência Episcopal do Peru comunica abertura de Centro de Auxílio a migrantes venezuelanos. ...
 
Confiança, Anúncio e Fraternidade: três palavras sobre as quais o Papa propôs aos verbitas uma r ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading