Loading
 
 
 
Loading
 
Bispo de Frederico Westphalen (SC) fala sobre a Quaresma e a importância da confissão
Loading
 
15 de Março de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Frederico Westphalen - Rio Grande do Sul (Quinta-feira, 15-03-2018, Gaudium Press) O Bispo da Diocese de Frederico Westphalen, Dom Rossi Keller, fez comentários acerca do tempo da Quaresma e a importância da confissão, em seu mais recente artigo, intitulado "Queremos ver Jesus".

Bispo de Frederico Westphalen (SC) fala sobre a Quaresma e a importância da confissão.jpg

O Evangelho de São João (12,20-33) do último domingo, 11 de março, de acordo com o bispo, nos narra como um grupo de prosélitos do judaísmo, que tinha vindo de longe ao Templo de Jerusalém, ouviu as maravilhas acerca de Jesus e manifestaram o desejo de o verem.

"Quando comunicaram a Jesus este desejo, o Mestre aproveitou a oportunidade para fazer uma linda catequese sobre a sua pessoa, sobre sua morte na cruz e sobre como cada seguidor deve fazer morrer em si o pecado, que nos afasta de Deus", afirma.

Segundo Dom Keller, Deus manifesta-nos a sua beleza, sabedoria infinita, onipotência e bondade, "pela fé que as verdades reveladas alimentam em nós". "Mas a fé não é uma ciência teórica. Quando uma pessoa não faz algum esforço para pôr em prática as verdades que aprendeu, a fé apaga-se", disse.

Pela confissão sacramental, prosseguiu, "manifestamos este desejo de ver Jesus, de o conhecermos cada vez melhor para o amarmos cada vez mais", pois "em cada confissão temos a possibilidade, portanto, de retirar da vida o que nos estorva de seguir o Senhor".

"Ela (a confissão) é um encontro pessoal com Jesus Cristo. Nela somos tocados como os doentes que procuravam Jesus nos caminhos da Terra Santa".

Ainda conforme o prelado, "através da confissão sacramental, Ele cura-nos das nossas enfermidades espirituais".

Sobre a Quarema, o bispo de Frederico Westphalen lembra que somos convidados "a exercitar a fé para descobrirmos Jesus Cristo no sacramento da Penitência". "Se Ele tivesse confiado este ministério a um anjo, talvez tivéssemos receio de nos aproximar. Mas Ele confiou-o a uma pessoa humana frágil como nós, que nos pode dizer com toda a sinceridade: "eu também estou a caminho do Céu e tenho dificuldades como tu!", acrescenta.

Dom Keller ressalta também que "é Cristo quem perdoa os pecados na confissão como também é Ele que consagra o pão e o vinho no altar, e nos dois casos, atua pelo ministério do sacerdote".


"Peçamos a graça de o ver, de reconhecê-lo presente neste sacramento de misericórdia que nos restitui a vida de Deus. A confissão propõe-nos seguir a vida e Jesus Cristo, morrer como Ele para, à semelhança do grão de trigo, dar frutos de santidade e de apostolado. ‘Jesus respondeu-lhes: (...) Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto'".

No final do artigo, o bispo garante que "quando nos confessamos, não prometemos nunca mais pecar, mas sim lutar generosamente para não voltar a cair em pecado".

"O atual ritual do sacramento da penitência emendou a antiga despedida - ‘vai em paz e não tornes a pecar' - para outra mais realista: ‘vai em paz!'. Aproveitemos estes últimos momentos da Quaresma, para nos aproximar, bem preparados e dispostos, do sacramento da Reconciliação e da Paz. Não deixemos passar em vão a Graça do perdão que Deus nos oferece neste tempo santo da Quaresma", conclui Dom Rossi Keller. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Diocese de Frederico Westphalen

Loading
Bispo de Frederico Westphalen (SC) fala sobre a Quaresma e a importância da confissão

Frederico Westphalen - Rio Grande do Sul (Quinta-feira, 15-03-2018, Gaudium Press) O Bispo da Diocese de Frederico Westphalen, Dom Rossi Keller, fez comentários acerca do tempo da Quaresma e a importância da confissão, em seu mais recente artigo, intitulado "Queremos ver Jesus".

Bispo de Frederico Westphalen (SC) fala sobre a Quaresma e a importância da confissão.jpg

O Evangelho de São João (12,20-33) do último domingo, 11 de março, de acordo com o bispo, nos narra como um grupo de prosélitos do judaísmo, que tinha vindo de longe ao Templo de Jerusalém, ouviu as maravilhas acerca de Jesus e manifestaram o desejo de o verem.

"Quando comunicaram a Jesus este desejo, o Mestre aproveitou a oportunidade para fazer uma linda catequese sobre a sua pessoa, sobre sua morte na cruz e sobre como cada seguidor deve fazer morrer em si o pecado, que nos afasta de Deus", afirma.

Segundo Dom Keller, Deus manifesta-nos a sua beleza, sabedoria infinita, onipotência e bondade, "pela fé que as verdades reveladas alimentam em nós". "Mas a fé não é uma ciência teórica. Quando uma pessoa não faz algum esforço para pôr em prática as verdades que aprendeu, a fé apaga-se", disse.

Pela confissão sacramental, prosseguiu, "manifestamos este desejo de ver Jesus, de o conhecermos cada vez melhor para o amarmos cada vez mais", pois "em cada confissão temos a possibilidade, portanto, de retirar da vida o que nos estorva de seguir o Senhor".

"Ela (a confissão) é um encontro pessoal com Jesus Cristo. Nela somos tocados como os doentes que procuravam Jesus nos caminhos da Terra Santa".

Ainda conforme o prelado, "através da confissão sacramental, Ele cura-nos das nossas enfermidades espirituais".

Sobre a Quarema, o bispo de Frederico Westphalen lembra que somos convidados "a exercitar a fé para descobrirmos Jesus Cristo no sacramento da Penitência". "Se Ele tivesse confiado este ministério a um anjo, talvez tivéssemos receio de nos aproximar. Mas Ele confiou-o a uma pessoa humana frágil como nós, que nos pode dizer com toda a sinceridade: "eu também estou a caminho do Céu e tenho dificuldades como tu!", acrescenta.

Dom Keller ressalta também que "é Cristo quem perdoa os pecados na confissão como também é Ele que consagra o pão e o vinho no altar, e nos dois casos, atua pelo ministério do sacerdote".


"Peçamos a graça de o ver, de reconhecê-lo presente neste sacramento de misericórdia que nos restitui a vida de Deus. A confissão propõe-nos seguir a vida e Jesus Cristo, morrer como Ele para, à semelhança do grão de trigo, dar frutos de santidade e de apostolado. ‘Jesus respondeu-lhes: (...) Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto'".

No final do artigo, o bispo garante que "quando nos confessamos, não prometemos nunca mais pecar, mas sim lutar generosamente para não voltar a cair em pecado".

"O atual ritual do sacramento da penitência emendou a antiga despedida - ‘vai em paz e não tornes a pecar' - para outra mais realista: ‘vai em paz!'. Aproveitemos estes últimos momentos da Quaresma, para nos aproximar, bem preparados e dispostos, do sacramento da Reconciliação e da Paz. Não deixemos passar em vão a Graça do perdão que Deus nos oferece neste tempo santo da Quaresma", conclui Dom Rossi Keller. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Diocese de Frederico Westphalen


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Os comentários de Duterte foram recebidos com indignação pelo país de maioria católica. ...
 
A operação policial foi iniciada após uma denúncia de que obras possivelmente estivessem sendo v ...
 
O evento acontecerá na comunidade Santa Lúcia, da Paróquia Santa Catarina. ...
 
O projeto de restauração da Catedral contará também com contribuições da Igreaja, doações e ...
 
“A Formação Sacerdotal Hoje” retrata a trajetória da OSIB, apresentando a experiência dos re ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading