Loading
 
 
 
Loading
 
Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos
Loading
 
26 de Março de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Rio de Janeiro (Segunda-feira, 26-03-2018, Gaudium Press) Após a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, a Igreja abre a Semana Santa. "Nesta Eucaristia solene que abre a Grande Semana da nossa fé, a Semana santíssima, que culminará com a Solenidade da Páscoa, celebrada no Tríduo Pascal e completada no Domingo próximo", escreve o Cardeal Orani João Tempesta, em um de seus mais recentes artigos.

Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos (2).jpg

De acordo com Dom Orani, "este Domingo que abre a Semana Santa (25 de março) celebra dois mistérios: (1) a Entrada solene do Senhor Jesus em Jerusalém para viver sua Passagem do mundo para o Pai e (2) o Mistério de sua Paixão, Morte e Sepultura. Daí o título deste dia: Domingo de Ramos e da Paixão. A procissão é de ramos; a Missa é da paixão".

"Jesus é saudado como o Rei de Israel, novo Davi, Messias que chega à Cidade de Davi! E Jesus, de fato, é Rei, é Messias! A festa de hoje é, em certo sentido, uma festa de Cristo Rei, Rei-Messias! É uma festa de exultação! Mas, estejamos atentos: ele entra na Cidade Santa montado não num cavalo, que simboliza poder e força, mas entra num jumentinho, usado pelos pobres nos serviços mais humildes e duros (Mc 11, 1-10)".

Conforme o purpurado, "fazemos memória da Entrada do Senhor Jesus em Jerusalém" porque "Ele é o Filho de Davi, o Messias esperado por Israel, que vem tomar posse de sua Cidade Santa".

"Mas, que surpresa! É um Messias humilde, que entra não a cavalo, mas num humilde burrico, sinal de serviço e pequenez. Ei-lo: seu serviço será dar a vida pela multidão. Ele é Rei, mas rei coroado de espinhos e não de humana vanglória. Termos seguido o Senhor nessa solene procissão com ramos é tê-lo reconhecido como nosso rei, rei pobre e humilde. Tê-lo seguido é nos dispor a segui-lo nas pobrezas e humildades da vida, dispondo-nos a participar de sua paixão e cruz para ter parte na glória de sua ressurreição", completa.

Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos.jpg

Ainda segundo Dom Orani, neste período, "somos convidados a celebrar bem este dia os demais dias que se aproximam desta nobre semana".

"Nobre não porque o Senhor Jesus viveu como um nobre, mas, porque Ele é um nobre que vive de maneira pobre e humilde. O evangelista Marcos descreve a fidelidade de Jesus ao Plano salvador do Pai. Ele é a ‘Boa Notícia' para os pobres; notícia que incomoda os poderosos causadores de sua morte. O centurião romano, vendo-o morrer, exclamou: ‘Ele é verdadeiramente o Filho de Deus!'", ressalta.

No final do artigo, o Arcebispo do Rio de Janeiro lembra o gesto concreto do início da Semana Santa, que é a coleta para a Campanha da Fraternidade. "Tenhamos consciência de que sessenta por cento desta coleta será aplicado em projetos em favor da construção da paz em nossa Arquidiocese através do Vicariato da Caridade Social. (...) além disso há inúmeros outros projetos em todo o país que recebem a colaboração da CNBB. Vamos demonstrar nossa unidade e apoio a esta coleta, como gesto de doação, fruto do jejum, da oração e da penitência em que fizemos em toda a Quaresma, sendo generosos nesta coleta".

"Enquanto o mundo gira, a Cruz permanece de pé! Boa e abençoada Semana Santa!", deseja o cardeal. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Arquidiocese do Rio de Janeiro

Loading
Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos

Rio de Janeiro (Segunda-feira, 26-03-2018, Gaudium Press) Após a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, a Igreja abre a Semana Santa. "Nesta Eucaristia solene que abre a Grande Semana da nossa fé, a Semana santíssima, que culminará com a Solenidade da Páscoa, celebrada no Tríduo Pascal e completada no Domingo próximo", escreve o Cardeal Orani João Tempesta, em um de seus mais recentes artigos.

Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos (2).jpg

De acordo com Dom Orani, "este Domingo que abre a Semana Santa (25 de março) celebra dois mistérios: (1) a Entrada solene do Senhor Jesus em Jerusalém para viver sua Passagem do mundo para o Pai e (2) o Mistério de sua Paixão, Morte e Sepultura. Daí o título deste dia: Domingo de Ramos e da Paixão. A procissão é de ramos; a Missa é da paixão".

"Jesus é saudado como o Rei de Israel, novo Davi, Messias que chega à Cidade de Davi! E Jesus, de fato, é Rei, é Messias! A festa de hoje é, em certo sentido, uma festa de Cristo Rei, Rei-Messias! É uma festa de exultação! Mas, estejamos atentos: ele entra na Cidade Santa montado não num cavalo, que simboliza poder e força, mas entra num jumentinho, usado pelos pobres nos serviços mais humildes e duros (Mc 11, 1-10)".

Conforme o purpurado, "fazemos memória da Entrada do Senhor Jesus em Jerusalém" porque "Ele é o Filho de Davi, o Messias esperado por Israel, que vem tomar posse de sua Cidade Santa".

"Mas, que surpresa! É um Messias humilde, que entra não a cavalo, mas num humilde burrico, sinal de serviço e pequenez. Ei-lo: seu serviço será dar a vida pela multidão. Ele é Rei, mas rei coroado de espinhos e não de humana vanglória. Termos seguido o Senhor nessa solene procissão com ramos é tê-lo reconhecido como nosso rei, rei pobre e humilde. Tê-lo seguido é nos dispor a segui-lo nas pobrezas e humildades da vida, dispondo-nos a participar de sua paixão e cruz para ter parte na glória de sua ressurreição", completa.

Em artigo, Arcebispo do Rio destaca o Domingo de Ramos.jpg

Ainda segundo Dom Orani, neste período, "somos convidados a celebrar bem este dia os demais dias que se aproximam desta nobre semana".

"Nobre não porque o Senhor Jesus viveu como um nobre, mas, porque Ele é um nobre que vive de maneira pobre e humilde. O evangelista Marcos descreve a fidelidade de Jesus ao Plano salvador do Pai. Ele é a ‘Boa Notícia' para os pobres; notícia que incomoda os poderosos causadores de sua morte. O centurião romano, vendo-o morrer, exclamou: ‘Ele é verdadeiramente o Filho de Deus!'", ressalta.

No final do artigo, o Arcebispo do Rio de Janeiro lembra o gesto concreto do início da Semana Santa, que é a coleta para a Campanha da Fraternidade. "Tenhamos consciência de que sessenta por cento desta coleta será aplicado em projetos em favor da construção da paz em nossa Arquidiocese através do Vicariato da Caridade Social. (...) além disso há inúmeros outros projetos em todo o país que recebem a colaboração da CNBB. Vamos demonstrar nossa unidade e apoio a esta coleta, como gesto de doação, fruto do jejum, da oração e da penitência em que fizemos em toda a Quaresma, sendo generosos nesta coleta".

"Enquanto o mundo gira, a Cruz permanece de pé! Boa e abençoada Semana Santa!", deseja o cardeal. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Arquidiocese do Rio de Janeiro

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/94030-Em-artigo--Arcebispo-do-Rio-destaca-o-Domingo-de-Ramos. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O reitor do Santuário de Fátima explicou que para tomar essa decisão, ele levou em consideração ...
 
O corpo de Cristo fortalece tua alma, fortalece tua Fé, teu amor, tua esperança, tua fortaleza par ...
 
No Circo Máximo, em Roma, 70 mil jovens estiveram com o Papa e ele respondeu perguntas ...
 
Há 15 Igrejas Particulares vacantes, em um universo de 277 circunscrições eclesiásticas. ...
 
A cerimônia contou com a presença de oito mil fiéis da família mercedária provenientes de todo ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading