Loading
 
 
 
Loading
 
Dom Rossi Keller lembra “os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida”
Loading
 
24 de Abril de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Frederico Westphalen - Rio Grande do Sul (Terça-feira, 24-04-2018, Gaudium Press) "Diante do acontecimento da Páscoa do Senhor, houve desde os primeiros tempos, a experiência da perseguição e a experiência do fascínio. Cristo foi e continua a ser elemento de contradição, que leva uns a experiências macabras e outros a experiências de grande santidade. São Paulo foi um dos homens que passou de perseguidor a perseguido".

Dom Rossi Keller lembra os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida.jpg

Essas foram as primeiras palavras do bispo da Diocese de Frederico Westphalen, Dom Rossi Keller, em seu artigo intitulado "Os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida".

Segundo o prelado, "aquele Jesus a quem perseguia na pessoa dos discípulos passou a ser o único motivo da credibilidade da sua fé".

"Por isso, a descoberta de Jesus leva-o a procurar aqueles que eram os seus seguidores. Com curiosidade, como nos diz a 1ª Leitura deste Domingo (Atos 9,26-31), podemos compreender a dificuldade de os cristãos confiarem e acreditarem na conversão de Paulo. A essa curiosidade acresce o fato do Apóstolo desejar ardentemente juntar-se aos discípulos, ou seja, à Igreja, para assim fazer a experiência de quem é salvo por acreditar no nome de Jesus".

A experiência da Igreja nos nossos dias, conforme Dom Keller, "também é revestida muitas das vezes destas ambiguidades: quem procura encontrar Jesus na Igreja e de quem, pertencendo à Igreja, desconfia de quem procura entrar".

Em seguida, ele fez o seguinte alerta: "reduzir a vida de fé às experiências do coração poderá ser um risco de quem acredita apenas em si mesmo".

"Por isso, o Apóstolo São João, na 2ª Leitura (1a João 3,18-24) nos ensina que, é necessário adquirir a verdadeira consciência da grandeza de Deus, capaz de chamar o homem a uma experiência cada vez mais radical e profunda, sem que ela mesma se esgote. Colocar a nossa consciência diante de Deus e aferir a forma como nele permanecemos poderá ser a medida para compreendermos o alcance do que significa acreditar em Jesus e as consequências de viver no seu Amor", acrescenta.

Ainda de acordo com o bispo, nos tempos atuais, "deparamo-nos com um mundo que se move em função do simples mérito pessoal", uma vez que "os louvores dados são atribuídos a quem se destaca, a quem é visto e a quem tem as maiores responsabilidades. Uma visão detalhada da realidade leva-nos a estar longe de milhares de pessoas que asseguram o mundo e o seu progresso com o silêncio e o contributo inequívoco da sua vida e dos seus esforços".

"De igual modo, há certa tendência para anular o poder condutor de Deus, ou seja, a beleza do modo com que Deus nos surpreende na edificação do que é visível e invisível nas nossas vidas".

O segredo de uma vida frutuosa e frutificante, na visão de Dom Rossi Keller, é a união que temos ao próprio Deus. "Por um lado, a necessidade existencial que temos de não nos desvincularmos da Vida. Por outro lado, o deixamo-nos ser cuidados por Deus, onde o Pai é o agricultor".

No final do artigo, o bispo de Frederico Westphalen ressalta que "ser cuidados por Deus não é uma experiência de sentimentalismos, mas de uma permissão constante aos cuidados próprios que a vida merece, mesmo que com isso estejamos implicados numa profunda limpeza daquilo que somos". (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Diocese de Frederico Westphalen

Loading
Dom Rossi Keller lembra “os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida”

Frederico Westphalen - Rio Grande do Sul (Terça-feira, 24-04-2018, Gaudium Press) "Diante do acontecimento da Páscoa do Senhor, houve desde os primeiros tempos, a experiência da perseguição e a experiência do fascínio. Cristo foi e continua a ser elemento de contradição, que leva uns a experiências macabras e outros a experiências de grande santidade. São Paulo foi um dos homens que passou de perseguidor a perseguido".

Dom Rossi Keller lembra os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida.jpg

Essas foram as primeiras palavras do bispo da Diocese de Frederico Westphalen, Dom Rossi Keller, em seu artigo intitulado "Os verdadeiros frutos da Ressurreição em nossa vida".

Segundo o prelado, "aquele Jesus a quem perseguia na pessoa dos discípulos passou a ser o único motivo da credibilidade da sua fé".

"Por isso, a descoberta de Jesus leva-o a procurar aqueles que eram os seus seguidores. Com curiosidade, como nos diz a 1ª Leitura deste Domingo (Atos 9,26-31), podemos compreender a dificuldade de os cristãos confiarem e acreditarem na conversão de Paulo. A essa curiosidade acresce o fato do Apóstolo desejar ardentemente juntar-se aos discípulos, ou seja, à Igreja, para assim fazer a experiência de quem é salvo por acreditar no nome de Jesus".

A experiência da Igreja nos nossos dias, conforme Dom Keller, "também é revestida muitas das vezes destas ambiguidades: quem procura encontrar Jesus na Igreja e de quem, pertencendo à Igreja, desconfia de quem procura entrar".

Em seguida, ele fez o seguinte alerta: "reduzir a vida de fé às experiências do coração poderá ser um risco de quem acredita apenas em si mesmo".

"Por isso, o Apóstolo São João, na 2ª Leitura (1a João 3,18-24) nos ensina que, é necessário adquirir a verdadeira consciência da grandeza de Deus, capaz de chamar o homem a uma experiência cada vez mais radical e profunda, sem que ela mesma se esgote. Colocar a nossa consciência diante de Deus e aferir a forma como nele permanecemos poderá ser a medida para compreendermos o alcance do que significa acreditar em Jesus e as consequências de viver no seu Amor", acrescenta.

Ainda de acordo com o bispo, nos tempos atuais, "deparamo-nos com um mundo que se move em função do simples mérito pessoal", uma vez que "os louvores dados são atribuídos a quem se destaca, a quem é visto e a quem tem as maiores responsabilidades. Uma visão detalhada da realidade leva-nos a estar longe de milhares de pessoas que asseguram o mundo e o seu progresso com o silêncio e o contributo inequívoco da sua vida e dos seus esforços".

"De igual modo, há certa tendência para anular o poder condutor de Deus, ou seja, a beleza do modo com que Deus nos surpreende na edificação do que é visível e invisível nas nossas vidas".

O segredo de uma vida frutuosa e frutificante, na visão de Dom Rossi Keller, é a união que temos ao próprio Deus. "Por um lado, a necessidade existencial que temos de não nos desvincularmos da Vida. Por outro lado, o deixamo-nos ser cuidados por Deus, onde o Pai é o agricultor".

No final do artigo, o bispo de Frederico Westphalen ressalta que "ser cuidados por Deus não é uma experiência de sentimentalismos, mas de uma permissão constante aos cuidados próprios que a vida merece, mesmo que com isso estejamos implicados numa profunda limpeza daquilo que somos". (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Diocese de Frederico Westphalen


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading