Loading
 
 
 
Loading
 
“A Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo”, diz Arcebispo de Sevilha
Loading
 
7 de Maio de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Espanha - Sevilha (Segunda-feira, 07-05-2018, Gaudium Press) O Arcebispo de Sevilla, Dom Juan José Asenjo, dedicou sua carta pastoral do mês de maio à devoção à Santíssima Virgem, recordando o papel central que Nossa Senhora ocupa no mistério da Salvação.

A Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo?, diz Arcebispo de Sevilha.jpg

Na missiva, intitulada "Maio, mês de Maria", o prelado se opõem a algumas afirmações que indicam que a devoção à Nossa Senhora é algo impróprio de pessoas espiritualmente maduras, ou inclusive um adorno do qual se pode prescindir, assinalando contundentemente que não são verdadeiras, e recordando que "a Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo e no mistério da Igreja", já que "a devoção e o amor a Santa Maria pertencem a entranha mesma da piedade cristã".

"Ela é a mãe de Jesus. Ela, como peregrina da Fé, aceitou humilde e confiada, sua misteriosa maternidade, fazendo possível a encarnação do Verbo. Ela foi a primeira a admirar os milagres de seu Filho, a primeira ouvinte de sua palavra, sua mais fiel e atenta discípula, a encarnação mais verdadeira do Evangelho. Ela, por fim, ao pé da Cruz, nos recebe como filhos e aceita a dor e a morte de seu Filho e o oferece ao Pai, convertendo-se por um misterioso desígnio da Providência de Deus, em corredentora de toda a humanidade", acrescenta Dom Asenjo.

Recorda além disso, que ao ser Maria mãe e corredentora, Ela é "medianeira de todas as graças necessárias para nossa salvação, para nossa santificação e para nossa fidelidade". O que absolutamente, "não obscurece ou diminui a única mediação de Cristo", mas pelo contrário: "Esta mediação maternal é querida por Cristo e se apoia e depende dos méritos de Cristo e deles obtêm toda sua eficácia".

Por esta razão o Arcebispo de Sevilha assinala que a devoção mariana, conhecer a Virgem, amá-la, imitá-la, acudir a Ela durante o dia com a recitação do Rosário, o Ângelus, as três Ave Marias, entre outras devoções, "não é algo do qual possamos prescindir sem que se abalem os fundamentos da nossa vida cristã".

Neste sentido o prelado enfatiza na frase que deixou escrita o Beato Papa Paulo VI na exortação apostólica 'Marialis cultus', que diz: "Para ser autenticamente cristãos, há que ser verdadeiramente marianos", marcando que "Maria é a Arca da Aliança, o lugar de nosso encontro com o Senhor; refúgio dos pecadores, consolo dos aflitos e remédio e auxílio dos cristãos (...) Ela é, por fim, a causa de nossa alegria e a garantia de nossa fidelidade".

Concluindo a carta pastoral, Dom Asenjo convida os fiéis de sua diocese a honrar a Virgem Maria, sobretudo durante o mês de maio: "acudamos a visitá-la em seus santuários e ermitas com amor e sentido penitencial. Que bom que em nossas paróquias se restauram as flores de maio".

O Arcebispo de Sevilha finaliza sua mensagem comemorando que "o amor e o culto à Nossa Senhora é um motor formidável de dinamismo espiritual, de fidelidade ao Evangelho e de vigor apostólico", e chamando para que "nunca nos deitemos tranquilos sem ter tido uma conversa filial com Nossa Senhora". (EPC)

Loading
“A Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo”, diz Arcebispo de Sevilha

Espanha - Sevilha (Segunda-feira, 07-05-2018, Gaudium Press) O Arcebispo de Sevilla, Dom Juan José Asenjo, dedicou sua carta pastoral do mês de maio à devoção à Santíssima Virgem, recordando o papel central que Nossa Senhora ocupa no mistério da Salvação.

A Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo?, diz Arcebispo de Sevilha.jpg

Na missiva, intitulada "Maio, mês de Maria", o prelado se opõem a algumas afirmações que indicam que a devoção à Nossa Senhora é algo impróprio de pessoas espiritualmente maduras, ou inclusive um adorno do qual se pode prescindir, assinalando contundentemente que não são verdadeiras, e recordando que "a Santíssima Virgem ocupa um lugar central no mistério de Cristo e no mistério da Igreja", já que "a devoção e o amor a Santa Maria pertencem a entranha mesma da piedade cristã".

"Ela é a mãe de Jesus. Ela, como peregrina da Fé, aceitou humilde e confiada, sua misteriosa maternidade, fazendo possível a encarnação do Verbo. Ela foi a primeira a admirar os milagres de seu Filho, a primeira ouvinte de sua palavra, sua mais fiel e atenta discípula, a encarnação mais verdadeira do Evangelho. Ela, por fim, ao pé da Cruz, nos recebe como filhos e aceita a dor e a morte de seu Filho e o oferece ao Pai, convertendo-se por um misterioso desígnio da Providência de Deus, em corredentora de toda a humanidade", acrescenta Dom Asenjo.

Recorda além disso, que ao ser Maria mãe e corredentora, Ela é "medianeira de todas as graças necessárias para nossa salvação, para nossa santificação e para nossa fidelidade". O que absolutamente, "não obscurece ou diminui a única mediação de Cristo", mas pelo contrário: "Esta mediação maternal é querida por Cristo e se apoia e depende dos méritos de Cristo e deles obtêm toda sua eficácia".

Por esta razão o Arcebispo de Sevilha assinala que a devoção mariana, conhecer a Virgem, amá-la, imitá-la, acudir a Ela durante o dia com a recitação do Rosário, o Ângelus, as três Ave Marias, entre outras devoções, "não é algo do qual possamos prescindir sem que se abalem os fundamentos da nossa vida cristã".

Neste sentido o prelado enfatiza na frase que deixou escrita o Beato Papa Paulo VI na exortação apostólica 'Marialis cultus', que diz: "Para ser autenticamente cristãos, há que ser verdadeiramente marianos", marcando que "Maria é a Arca da Aliança, o lugar de nosso encontro com o Senhor; refúgio dos pecadores, consolo dos aflitos e remédio e auxílio dos cristãos (...) Ela é, por fim, a causa de nossa alegria e a garantia de nossa fidelidade".

Concluindo a carta pastoral, Dom Asenjo convida os fiéis de sua diocese a honrar a Virgem Maria, sobretudo durante o mês de maio: "acudamos a visitá-la em seus santuários e ermitas com amor e sentido penitencial. Que bom que em nossas paróquias se restauram as flores de maio".

O Arcebispo de Sevilha finaliza sua mensagem comemorando que "o amor e o culto à Nossa Senhora é um motor formidável de dinamismo espiritual, de fidelidade ao Evangelho e de vigor apostólico", e chamando para que "nunca nos deitemos tranquilos sem ter tido uma conversa filial com Nossa Senhora". (EPC)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que seguiu o lema “Não temas Maria, pois encontras-te graça diante de Deus”, foi con ...
 
“A capela de adoração é uma iniciativa do Senhor para que tivéssemos um lugar adequado para or ...
 
Conforme o purpurado, Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. ...
 
Criada em 27 de maio de 1998 pelo Papa João Paulo II, o bispado de Criciúma foi desmembrado da Dio ...
 
O sucesso vocacional do sacerdote depende das orações dos fiéis, afirma arcebispo de Malanje, no ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading