Loading
 
 
 
Loading
 
Novo livro de Ratzinger terá prefácio de Francisco
Loading
 
8 de Maio de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 08-05-2018, Gaudium Press) A liberdade da obediência a Deus é um tema que "desde sempre esteve no centro da atenção do Papa emérito e isso o leva desde jovem a "refletir sobre os limites da obediência ao Estado a favor da liberdade da obediência a Deus".

08Novo livro de Ratzinger terá prefácio de Francisco.jpg

Além do mais, Ratzinger sofreu em si mesmo a experiência da aplicação do nazismo que, "com a sua mentira totalitária" de incluir todas "as possibilidades e esperanças humanas", se torna "demoníaco e tirânico".

As afirmações acima são do Papa Francisco no prefácio do novo livro escrito pelo Papa Emérito Bento XVI.

O novo livro de Jospeh Ratzinger que será apresentado ao público em Roma no próximo deia 11, é definido por Francisco como sendo uma espécie de bússola para "compreender o nosso presente e encontrar uma sólida orientação para o futuro".

Preferencial pelos pobres e redenção do homem

Ao mesmo tempo, Bento XVI coloca em discussão "a pretensão totalitária do Estado marxista e a ideologia ateia sobre a qual se fundava". O autêntico contraste entre marxismo e cristianismo para Ratzinger, de fato, "não deriva certamente da atenção preferencial dos cristãos pelos pobres", destaca Francisco, mas da fonte da redenção do homem.
A verdadeira redenção do homem se encontra na "completa dependência do amor" de Deus, que é "verdadeira liberdade".

"Colonização" das consciências e amor ao ego

Hoje se tende a olhar somente ao amor do homem pelo próprio ego, que leva à "colonização" das consciências, nega as diferenças entre homem e mulher, planifica racionalmente a produção de seres humanos, chegando a "considerar lógico e lícito eliminar aquilo que não se considera mais criado, doado, concebido e gerado, mas feito por nós mesmos".

O Pontífice destacou também que esses são "direitos humanos aparentes" todos "orientados à autodestruição do homem", porque negam que "o homem é criatura de Deus", que tutela sua liberdade e dignidade.

Defender a família pelo bem do mundo e da Igreja

Francisco continua em suas palavras no prefácio do novo livro: Defender o homem "contra as reduções ideológicas", portanto, quer dizer "fixar a obediência do homem a Deus como limite da obediência ao Estado".

E numa época de mudanças como a contemporânea - afirma o Papa para concluir - significa "defender a família", porque "o futuro da humanidade passa através dela" e o bem da família "é decisivo para o futuro do mundo e da Igreja". (JSG)

 

 

Loading
Novo livro de Ratzinger terá prefácio de Francisco

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 08-05-2018, Gaudium Press) A liberdade da obediência a Deus é um tema que "desde sempre esteve no centro da atenção do Papa emérito e isso o leva desde jovem a "refletir sobre os limites da obediência ao Estado a favor da liberdade da obediência a Deus".

08Novo livro de Ratzinger terá prefácio de Francisco.jpg

Além do mais, Ratzinger sofreu em si mesmo a experiência da aplicação do nazismo que, "com a sua mentira totalitária" de incluir todas "as possibilidades e esperanças humanas", se torna "demoníaco e tirânico".

As afirmações acima são do Papa Francisco no prefácio do novo livro escrito pelo Papa Emérito Bento XVI.

O novo livro de Jospeh Ratzinger que será apresentado ao público em Roma no próximo deia 11, é definido por Francisco como sendo uma espécie de bússola para "compreender o nosso presente e encontrar uma sólida orientação para o futuro".

Preferencial pelos pobres e redenção do homem

Ao mesmo tempo, Bento XVI coloca em discussão "a pretensão totalitária do Estado marxista e a ideologia ateia sobre a qual se fundava". O autêntico contraste entre marxismo e cristianismo para Ratzinger, de fato, "não deriva certamente da atenção preferencial dos cristãos pelos pobres", destaca Francisco, mas da fonte da redenção do homem.
A verdadeira redenção do homem se encontra na "completa dependência do amor" de Deus, que é "verdadeira liberdade".

"Colonização" das consciências e amor ao ego

Hoje se tende a olhar somente ao amor do homem pelo próprio ego, que leva à "colonização" das consciências, nega as diferenças entre homem e mulher, planifica racionalmente a produção de seres humanos, chegando a "considerar lógico e lícito eliminar aquilo que não se considera mais criado, doado, concebido e gerado, mas feito por nós mesmos".

O Pontífice destacou também que esses são "direitos humanos aparentes" todos "orientados à autodestruição do homem", porque negam que "o homem é criatura de Deus", que tutela sua liberdade e dignidade.

Defender a família pelo bem do mundo e da Igreja

Francisco continua em suas palavras no prefácio do novo livro: Defender o homem "contra as reduções ideológicas", portanto, quer dizer "fixar a obediência do homem a Deus como limite da obediência ao Estado".

E numa época de mudanças como a contemporânea - afirma o Papa para concluir - significa "defender a família", porque "o futuro da humanidade passa através dela" e o bem da família "é decisivo para o futuro do mundo e da Igreja". (JSG)

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/95062-Novo-livro-de-Ratzinger-tera-prefacio-de-Francisco. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que seguiu o lema “Não temas Maria, pois encontras-te graça diante de Deus”, foi con ...
 
“A capela de adoração é uma iniciativa do Senhor para que tivéssemos um lugar adequado para or ...
 
Conforme o purpurado, Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. ...
 
Criada em 27 de maio de 1998 pelo Papa João Paulo II, o bispado de Criciúma foi desmembrado da Dio ...
 
O sucesso vocacional do sacerdote depende das orações dos fiéis, afirma arcebispo de Malanje, no ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading