Loading
 
 
 
Loading
 
Apresentada Nova Instrução sobre a vida contemplativa
Loading
 
16 de Maio de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 16-05-2018, Gaudium Press) Foi apresentado na terça-feira, na Sala de Imprensa da Santa Sé, a Instrução "Cor Orans" (Coração Orante), oriunda da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que trata da vida contemplativa.

Apresentada Nova Instrução sobre a vida contemplativa.jpg

A Instrução foi apresentada por Dom José Rodríguez Carballo, OFM, secretário da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica; e pelo Padre Sebastiano Paciolla, O Cist, subsecretario da mesma Congregação.

Monjas e Mosteiros

A Dom Carballo coube informar que "em todo o mundo, neste momento, existem 37.970 monjas de clausura, o que não é pouco neste contexto de crise vocacional".

Ele esclareceu também que "Aquelas que escolhem a vida contemplativa e a clausura devem viver em um ambiente separado do mundo e, por isto os mosteiros devem respeitar determinadas características e a entrada de estranhos ou a saída das monjas do convento deve ser excepcional e autorizada".

O secretário da Congregação acrescentou que, conforme a Instrução, "A modalidade da separação do exterior deve ser material e eficaz, não só simbólica ou espiritual".

Normas para constituição, manutenção e administração

O documento da Congregação prossegue em suas determinações que, para ser constituído um mosteiro de clausura, são necessárias condições, entre elas "as econômicas tais que possa garantir à comunidade prove-se a si mesma das necessidades da vida cotidiana".

"A comunidade do mosteiro mantém os bens em sua posse como dons recebidos de Deus, por meio de benfeitores e do trabalho da comunidade, como meios necessários e úteis para conseguir os fins próprios pertinentes à instituição".

Atos administrativos extraordinários

São "atos de administração extraordinária os que superam as exigências habituais para a manutenção e trabalho da comunidade e para a normal manutenção dos edifícios do mosteiro".

"Para os gastos e atos de administração extraordinária é necessária a autorização do Conselho do Mosteiro e do capítulo conventual".

Nas vendas ou outros negócios jurídicos nos quais "a situação patrimonial do Mosteiro poderia ter um dano" é necessária "a licença escrita da Superiora Mayor", assim como para determinadas decisões também é necessário "a licença da Santa Sé, sublinha a Instrução.

Vida contemplativa, redes sociais, internet

As monjas de clausura podem utilizar meios eletrônicos e redes sociais "com sobriedade e discrição" porque existe o risco de "esvaziar de conteúdo o silêncio contemplativo quando se enche a clausura de rumores, notícias e palavras", recomenda a Instrução Cor Orans.

O documento ainda diz sobre este assunto que "Tais meios portanto devem ser usados com sobriedade e discrição, não só em relação aos conteúdos mas também com a quantidade das informações e o tipo de comunicação, com o fim de que estejam a serviço da formação da vida contemplativa e das comunicações necessárias e não sejam ocasião de dissipação ou de evasão da vida fraterna".

Assim, "o uso dos meios de comunicação, por motivos de informação, formação ou trabalho, pode ser consentido ao mosteiro, com prudente discernimento para a utilidade comum". (JSG)

 

Loading
Apresentada Nova Instrução sobre a vida contemplativa

Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 16-05-2018, Gaudium Press) Foi apresentado na terça-feira, na Sala de Imprensa da Santa Sé, a Instrução "Cor Orans" (Coração Orante), oriunda da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que trata da vida contemplativa.

Apresentada Nova Instrução sobre a vida contemplativa.jpg

A Instrução foi apresentada por Dom José Rodríguez Carballo, OFM, secretário da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica; e pelo Padre Sebastiano Paciolla, O Cist, subsecretario da mesma Congregação.

Monjas e Mosteiros

A Dom Carballo coube informar que "em todo o mundo, neste momento, existem 37.970 monjas de clausura, o que não é pouco neste contexto de crise vocacional".

Ele esclareceu também que "Aquelas que escolhem a vida contemplativa e a clausura devem viver em um ambiente separado do mundo e, por isto os mosteiros devem respeitar determinadas características e a entrada de estranhos ou a saída das monjas do convento deve ser excepcional e autorizada".

O secretário da Congregação acrescentou que, conforme a Instrução, "A modalidade da separação do exterior deve ser material e eficaz, não só simbólica ou espiritual".

Normas para constituição, manutenção e administração

O documento da Congregação prossegue em suas determinações que, para ser constituído um mosteiro de clausura, são necessárias condições, entre elas "as econômicas tais que possa garantir à comunidade prove-se a si mesma das necessidades da vida cotidiana".

"A comunidade do mosteiro mantém os bens em sua posse como dons recebidos de Deus, por meio de benfeitores e do trabalho da comunidade, como meios necessários e úteis para conseguir os fins próprios pertinentes à instituição".

Atos administrativos extraordinários

São "atos de administração extraordinária os que superam as exigências habituais para a manutenção e trabalho da comunidade e para a normal manutenção dos edifícios do mosteiro".

"Para os gastos e atos de administração extraordinária é necessária a autorização do Conselho do Mosteiro e do capítulo conventual".

Nas vendas ou outros negócios jurídicos nos quais "a situação patrimonial do Mosteiro poderia ter um dano" é necessária "a licença escrita da Superiora Mayor", assim como para determinadas decisões também é necessário "a licença da Santa Sé, sublinha a Instrução.

Vida contemplativa, redes sociais, internet

As monjas de clausura podem utilizar meios eletrônicos e redes sociais "com sobriedade e discrição" porque existe o risco de "esvaziar de conteúdo o silêncio contemplativo quando se enche a clausura de rumores, notícias e palavras", recomenda a Instrução Cor Orans.

O documento ainda diz sobre este assunto que "Tais meios portanto devem ser usados com sobriedade e discrição, não só em relação aos conteúdos mas também com a quantidade das informações e o tipo de comunicação, com o fim de que estejam a serviço da formação da vida contemplativa e das comunicações necessárias e não sejam ocasião de dissipação ou de evasão da vida fraterna".

Assim, "o uso dos meios de comunicação, por motivos de informação, formação ou trabalho, pode ser consentido ao mosteiro, com prudente discernimento para a utilidade comum". (JSG)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/95239-Apresentada-Nova-Instrucao-sobre-a-vida-contemplativa-. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O primeiro evento oficial em alusão ao jubileu ocorreu durante Santa Missa, que foi presidida por D ...
 
O reitor do Santuário de Fátima explicou que para tomar essa decisão, ele levou em consideração ...
 
O corpo de Cristo fortalece tua alma, fortalece tua Fé, teu amor, tua esperança, tua fortaleza par ...
 
No Circo Máximo, em Roma, 70 mil jovens estiveram com o Papa e ele respondeu perguntas ...
 
Há 15 Igrejas Particulares vacantes, em um universo de 277 circunscrições eclesiásticas. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading